Now Playing Tracks

Assassin’s Creed Unity: A Revolução Francesa segundo Rob Zombie

Assassin’s Creed Unity: A Revolução Francesa segundo Rob Zombie

Blog Teaser - Rob Zombie's French Revolution

A equipe criativa responsável por Assassin’s Creed: Unity uniu forças com o famoso músico e diretor Rob Zombie para contar os caóticos e brutais por trás da Revolução Francesa na animação “Rob Zombie’s French Revolution”.

Tony Moore co-criador de The Walking Dead, também participa do curta de animação da vida à detalhes da batalhas sangrentas e terríveis eventos ocorridos durante a Revolução…

View On WordPress

Januncio Neto

Januncio Neto

Se você teve a sorte de acompanhar a Era de Ouro dos Tokusatsus no Brasil, entre o final da década de 80 e metade da década de 90, lembra da saudosa programação da extinta TV Manchete, que nos trouxe heróis como Jaspion, Changeman, Flashman, Maskman, Jiban, Jiraya, Spielvan. Kamen Rider Black e os Cybercops entre tantos outros que desde então conquistaram legiões de fãs em todo o país.

Um dentre estes fãs é Eduardo Augusto que ao longo dos anos conseguiu expressar seu amor pelos heróis dos Tokusatsus se especializando na arte de confeccionar as armaduras dos personagens que inspiraram a infância dele e tantos outros. Graças a seu trabalho Eduardo recebeu o que muitos podem considerar uma sonho, mas para ele é uma feliz realidade, ele foi contratado para restaurar todas as armaduras originais usadas no seriado Cybercops, isso mesmo! Todas as armaduras usadas pelos atores e dublês nas filmagens da série no Japão.

E é sobre esta e outras historias que nós conversamos com Eduardo, numa entrevista muito legal e que mostra a trajetória de um fã dedicado que nunca teve medo de acreditar em seus sonhos!

This slideshow requires JavaScript.

Januncio Neto – Como surgiu a oportunidade para restaurar as armaduras originais do seriado (Tokusatsu) Cybercops?

Eduardo Augusto – Eu estava na minha oficina fazendo as encomendas dos meus clientes quando minha esposa Alessandra trouxe o telefone. A ligação era de uma pessoa muito querida, claro que eu não imaginava se tratar do senhor Nelson Akira Sato. Ele elogiou muito meu trabalho, seu interesse era em um trabalho em especial, até então eu não esperava se tratar da restauração das armaduras originais da série Cybercops: Os Policiais do Futuro.

JN – Qual foi o primeiro contato com os responsáveis pelas armaduras no Japão?

EA – Como falei o primeiro contato foi direto com o senhor Nelson Akira Sato, ele é detentor de todos os direitos dos Cybercops… Marcamos uma reunião e conversamos sobre tudo que precisava ser feito.

JN – Quais serão as armaduras que serão restauradas?

EA – Todas as armaduras dos Cybercops, as Unidades Cyber Júpiter, Marte, Saturno, Mercúrio e Lúcifer (incluindo as versões usadas nas cenas de ação que são os modelos destinados aos dublês), além de armas e uniformes usados no seriado em 1988 no Japão.

Também irei restaurar todas as armaduras dos inimigos Ominus e Harkos. Todas produzidas em fibra de vidro, realmente muita coisa.

JN – Você já recebeu todas as armaduras e em qual o estado de conservação elas estão?

EA – Sim, eu as recebi! A primeira que eu vi foi à armadura do Mercúrio acho ela linda. Depois de 26 anos nunca pensei que elas estavam tão bem cuidadas e conservadas, todas nas caixas guardadas.

Achei todas as Cyber Armas muito interessantes, elas parecem de verdade, algumas partes são de metal, outras em fibra, bem pesadas e ainda “funcionam”. Não eram brinquedos, são reais de certa forma.

O senhor Sato ama muito os Cybercops, tem um carinho e respeita enormes por todo esse legado. Se hoje estou tendo essa oportunidade devo tudo ao senhor Nelson Akira Sato.

This slideshow requires JavaScript.

JN – Como fã, qual é a sensação de poder trabalhar com o material de uma série tão relevante quanto Cybercops?

EA – Poxa sei lá, a ficha ainda não caiu eu olho para o céu e falo com Deus, como pode depois de tantos anos essas armaduras estarem aqui na minha casa… Acordo pela manhã e as vejo aqui do meu lado e vou assistir Cybercops com minha esposa e filho, olho pra ela e digo: “Amor isso é coisa de Deus”.

Eu amo os Cybercops, eles fazem parte de mim. Da minha história de vida.

JN – Existe algum prazo para entrega das armaduras? E qual será o destino delas após a restauração?

EA – Não existe um prazo especifico mais na reunião conversamos algo em torno de 4 meses já pra ir finalizando uma boa parte, mas não vou reformar uma de cada vez, vou mexendo em varias no decorrer dos dias.

O senhor Sato não gosta de presa, ele quer algo bem feito, acredito que por isso que ele me contratou, eu gosto de tudo bem feito. Respeito tudo nos mínimos detalhes, às vezes penso que sou perfeccionista de mais.

Não sei o que será feito depois que todas as armaduras, armas e uniformes forem restaurados.

JN – Você já encontrou Takumi Tsutsui o ator que interpretou Toha Yamaji o Ninja Jiraya, como foi o encontrou e qual a reação dele ao conhecer o seu trabalho?

EA – Fui convidado para participar do Anime Friends em São Paulo, para participar de uma homenagem ao Takumi. Eu fui até o camarim dele que ficava ao lado do meu, entrei usando a armadura de Jiraya sem ele perceber, ele não acreditou no que estava vendo. Ele elogiou muito e ficou feliz com a qualidade do da armadura que eu fiz.

Lá também estava o Akira Kushida que canta as musicas temas de vários Tokusatsus, fomos todos para o meu camarim, pois o Akira e o Takumi queriam ver a armadura do Jiban que eu fiz e havia levado para o evento, brincamos muito e o Toha me ensinou todas as poses do Jiraya. kkkk

JN – Desde quando você trabalha produzindo armaduras e qual foi a primeira armadura que você confeccionou?

EA – Eu vim de uma família muito pobre e minha mãe não podia comprar pra mim e meus irmão os brinquedos que eram lançados, eu lembro que chorava por que meus amiguinhos de escola tinham e eu não.

Em 1988 eu já tinha 7 anos e me deparei com os heróis da nossa infância (Jaspion e Changeman exibidos pela primeira vez em 88), então foi quando eu tive a ideia de fazer os meus próprios brinquedos.

Chegou um momento que os meus brinquedos estavam ficando mais detalhados que aqueles que eram fabricados no Brasil. De lá pra cá não parei mais, então após certo tempo tive a ideia de criar algo que pudesse vestir, eu não queria mais os brinquedos, eu queria ser o herói kkk. Faz quase 27 anos que tudo começou.

Acho que o primeiro foi o capacete do Spielvan, mas me lembro de que fazia muito os capacetes dos Flashman, eram mais simples kkk.

JN – Você tem ideia de quantas armaduras e elmos já produziu? Quais são as mais procuradas por seus clientes?

EA – Não, nem imagino. Sei lá, afinal são 26 anos. Os clientes pedem muita coisa, não sei ao certo kkk.

JN – Qual é a armadura mais difícil que você já fez? Além de personagens de Tokusatsus você já produziu ou recebeu algum pedido por uma armadura de personagem de filmes ou HQs?

EA – Acredito que a mais complicada seja a armadura do Jiban, ela é bem detalhada.

Fora do tema Tokusatsu, só o meu personagem. Eu criei uma versão brasileira dos Metal Heroes, ele é lindo!!! kkk.

This slideshow requires JavaScript.

JN – Você participa de eventos em vários estados, qual é a sensação ao ver a reação das pessoas diante do seu trabalho?

EA – Ali no meio de tantas pessoas que amam meu trabalho, que amam Tokusatsus eu me sinto em casa.

É uma coisa única, que apenas quem passa por isso sabe, como que é a alegria de ter um trabalho reconhecido por tantas pessoas. Fico muito feliz!

JN – Gostaria de agradecer imensamente por esta oportunidade e desejar muito sucesso em nome de todos os fãs de Tokusatso e admiradores do seu trabalho. Muito obrigado!

EA – Eu que te agradeço pela oportunidade de poder falar um pouco sobre minha vida, do meu trabalho e das conquistas que Deus me proporcionou. Espero poder um dia estar presente em eventos no nordeste e poder falar mais sobre o meu trabalho.

Muito obrigado e desejo um forte abraço a todos que tem um carinho grande pelos Tokusatsus.

 

Se você gostou do deseja entrar me contato com o Eduarto Augusto pode fazê-lo através do telefone (48) 9624-1134  ou em seu perfil no Facebook

Agradecemos a todos vocês e aguardem os artigos especiais sobre a San Diego Comic Con 2014, breve aqui no blog do Studio Made in PB. :D

Studio Made in PB Entrevista: Eduardo Augusto Se você teve a sorte de acompanhar a Era de Ouro dos Tokusatsus no Brasil, entre o final da década de 80 e metade da década de 90, lembra da saudosa programação da extinta…

Roteirista de Edge of Tomorrow, esta escrevendo roteiro para adaptação de AKIRA!

Roteirista de Edge of Tomorrow, esta escrevendo roteiro para adaptação de AKIRA!

Blog Teaser - AKIRA Live Action 02

Semana passada em artigo publicado no site Deadline continha uma informação que pode cair como uma bomba na cabeça de muitos fãs. O artigo relata que o roteirista Dante Harper, que escreveu o  roteiro de Edge of Tomorrow (No Limite do Amanhã), estrelado por Tom Cruise baseado na Light NovelAll You Need Is Kill de Sakurazaka Hiroshi, está atualmente escrevendo o roteiro da adaptação da…

View On WordPress

Januncio Neto

Januncio Neto

Antes de falar propriamente de Transformers: Age of Extinction (Transformers: A Era da Extinção) acredito que seja salutar ponderar algumas questões sobre a “crítica especializada-entendida-metida a besta” que se apossou do direito de dizer o que é bom ou não é, seja relacionado a filmes ou qualquer outro assunto, principalmente se forem ligados à cultura pop.

Tecnicamente a maior parte do problema não esta em quem emite sua opinião, mas no público que acaba (algumas vezes involuntariamente) inflando egos e dando a algumas pessoas um “poder” que elas sequer têm.

Pensar por si mesmo ainda é uma das melhores coisas que um ser humano pode fazer, então por mais que alguém tenha propriedade (ou pense que tem) para falar sobre determinado assunto, ainda cabe a você avaliar e tomar suas próprias decisões.

Agora, voltemos a nossa programação normal…

Blog Image Gallery Teaser - Transformers 4 12

O Filme

No dia 17 de Julho estreou Transformers: A Era da Extinção, o mais novo filme do diretor Michael Bay produzido por Steven Spielberg,  que marca o inicio de (para o desespero de muitos) uma nova trilogia dos Transformers. Mark Wahlberg, Nicola Peltz, Jack Reynor, Titus Welliver, Stanley Tucci e Kelsey Grammer são os principais nomes do elenco (humano) do filme.

Peter Cullen (Optimus Prime), Frank Welker (Galvatron), Ken Watanabe (Drift), Robert Foxworth (Ratchet), John Goodman (Hound), John DiMaggio (Crosshairs), Reno Wilson (Brains) e Mark Ryan (Lockdown), são responsáveis pelas vozes dos protagonistas do filme.

Cinco anos após o grande confronto entre Autobots e Decepticons que devastou Chicago, a humanidade decide não ficar mais passiva diante dos confrontos entre os remanescentes da guerra cybertroniana, a CIA começa uma caçada a qualquer Transformer que seja detectado, sob a justificativa de impedir a volta dos Decepticons restantes, mas existem novas regras e os humanos perderam sua fé nos Autobots.

Enquanto isso Cade Yeager (Mark Wahlberg) um “cientista especializado em robótica” encontra um caminhão abandonado, sem imaginar que o veículo é na verdade Optimus Prime, o até então desaparecido líder dos Autobots. O ressurgimento de Optimus é o ponto de partida para que Cade, sua filha Tessa Yeager (Nicola Peltz) e o jovem piloto Share Dyson (Jack Reynor) sejam tragados para o novo conflito que se inicia com a ameaça de Lockdown, Galvatron e os novos inimigos transformáveis criados por Joshua Joyce (Stanley Tucci) e a KSI.

Apenas a união entre os Autobots e os lendários Dinobots podem evitar a extinção da raça humana.

This slideshow requires JavaScript.

O que eu vou encontrar nesse filme?

Se você já acompanhou a primeira trilogia dos Transformers já tem ideia do que vai encontrar em a Era da Extinção, afinal é um filme com a assinatura do Michael Bay, com todos os prós e contras que envolvem o diretor americano.

Mas por que fazer uma nova trilogia dos Transformers e manter Michael Bay como diretor? A resposta é muito simples.

Transformers: A Era da Extinção vem dominando o topo das bilheterias americanas e conquistando recordes nos cinemas do mundo em apenas 15 dias. Depois de ter faturado 100 milhões de dólares em seu primeiro final de semana nos cinemas norte-americanos, o filme acumulou mais 36 milhões na primeira semana, e soma 174 milhões de dólares apenas nos Estados Unidos. Antes da estreia no Brasil, dia 17 de julho, a sequência já atingia a marca de 400 milhões de dólares no mundo inteiro.

Antes mesmo da sua estreia oficial no Brasil, o filme já acumulava mais de 494 mil espectadores e cerca de um milhão e duzentos ingressos vendidos, durante as várias sessões de pré-estreias e vendas antecipadas. Apenas na China o blockbuster faturou 222,7 milhões de dólares, tornando-se a maior bilheteria de todos os tempos no país.

Michael Bay pode não ser o diretor favorito dos “críticos especializados” e muito menos dos Haters da Blogosfera, mas ele é o cara que todos os executivos dos grandes estúdios querem ter sob contrato. Michale Bay mais do que o cara que gosta de explodir tudo e todos, é o cara que faz filmes lucrativos (questionáveis, mas muito lucrativos).

Se você é fã de Transformers (e nem todo fã de Transformers gosta dos filmes do Michael Bay) pode sair do cinema contente e com a sensação que seu rico e suado dinheirinho foi bem gasto, mas é preciso levar algumas coisas em consideração, já outras basta fazer vista grossa e simplesmente se permitir curtir o filme.

Mesmo sendo o começo de uma nova trilogia me incomodou muito a opção de Bay de praticamente não fazer menção ao elenco da trilogia anterior, o que aconteceu com o Sam (mesmo muita gente detestando o Shia LaBeouf)? Não da pra simplesmente Optimus fazer de conta que ele e os demais personagens simplesmente não existiram. Mas se tratando de um filme do Michael Bay mão da pra simplesmente esperar que algo assim não acabe ocorrendo.

O filme é muito simples de se entender (talvez simples até demais em alguns momentos), mas tudo converge para a ação e o confronto dos Autobots remanescentes contra a ameaça de Lockdown e Galvatron.

Os novos Autobots ainda precisam de mais um tempo para ter o prestígio dos anteriores, mas Hound (John Goodman) é um dos destaques do filme e os Dinobots literalmente colocam tudo à baixo, garantindo algumas das melhores cenas de ação do filme.

Apesar de longo (2:45 minutos) eu não achei cansativo, provavelmente pelo fato de ser fã de Transformers (desde 1986 pra ser mais exato) e consiga me divertir com um filme que pra muitos “entendidos” é fraco e  desnecessário.

Se você é fã e já assistiu os três filmes anteriores provavelmente vai querer assistir a Transformers: Era da Extinção, se você é daqueles que vai ao cinema para esquecer os problemas e quer apenas se divertir, vai gostar do filme e se for fã de explosões e ação desenfreada, então vai tirar a sorte grande! Mas se você é um cara de gosto refinado e/ou se acha inteligente demais pra ver um filme baseado numa série de brinquedos, onde robôs se transformam em carros e dinossauros gigantes é bom passar longe da sala de cinema que exibe o filme.

Mas seja qual for a sua escolha, nunca deixe de tirar suas conclusões e ser o protagonista do seu direito de ter opinião própria!

Transformers - Age of Extinction Promo

Januncio Neto é professor de roteiro na escola de desenhos para HQs do Studio Made in PB, colecionador de HQs, Action Figures e Filmes. E gostaria de ter dinossauros cybertronianos para enfrentar o trânsito na hora do rush ao som de Battle Cry!

Análise de Transformers: A Era da Extinção por Januncio Neto Antes de falar propriamente de Transformers: Age of Extinction (Transformers: A Era da Extinção) acredito que seja salutar ponderar algumas questões sobre a…

Blog Teaser - Josh Nizzi 01

Josh Nizzi é um artista freelancer especialista no desenvolvimento de “artes conceituais” (concept arts) com trabalhos produzidos para games, animações, filmes e também HQs. Nascido em Champaign, Illinois, Nizzi é muito conhecido entre os fãs de Transformers por ter sido o responsável pela criação das artes conceituais do personagem Long Haul.

Existem várias historias sobre como Nizzi deixou de ser um fã de Transformers e conseguiu entrar para equipe de Michael Bay e consequentemente para a indústria cinematográfica.

De acordo com Nizzi, seu projeto atraiu a atenção de Aaron Archer, diretor de design da Hasbro responsável pelos Transformers, Archer queria que ele fizesse conceitos para a sequência do filme Transformers que até então ainda não tinha nome, logo depois Michael Bay o contratou como um dos artistas conceituais responsáveis pela produção de Transformers: Revenge of the Fallen.

0045-tmp2_2_1405178102

Seu design desenvolvido para Long Haul foi o primeiro a ser aprovado para o filme, antes de qualquer outro artista tenha apresentado alguma ideia, Nizzi também foi responsável por desenvolver a versão “powered-up” de Optimus Prime (uma armadura de combate criada a partir de componentes de Jetfire), além do novo visual de Megatron.

Em Transformers: Dark of the Moon, Nizzi continuou trabalhando nos conceitos de Megatron, e criou o visual de Shockwave, Soundwave e Laserbeak, os Wreckers, os Dreads, Warpath e Blitzwing (estes dois últimos não foram usados no filme), ele só não participou no desenvolvimento dos personagens Wheeljack e Brains.

0005-R_OptimusHead_130116_V009Battle_JN_EN_1405178102

Em Transformers: Age of Extinction, Nizzi trabalhou principalmente no desenvolvimento do novo Optimus Prime e em suas novas armas, observando suas artes é possível ver que a inspiração em cavaleiros medievais já era algo existente desde o inicio.  Ele também contribuiu com ideias para o visual de Lockdown, Crosshairs, algumas naves e uma curiosa versão de duas cabeças do Shockwave de Dark of the Moon, ele faz uma rápida aparição em Age of Extinction.

Uma curiosidade sobre Nizzi e os Transformers é que ele criou um Autobot usando um helicóptero Apache AH-64 como modo veicular, o nome do Autobot era Longbow, para um concurso de design promovido pelo jornal USA Today cujo tema eram os Transformers. Nizzi admitiu ser um profissional (tecnicamente ele estava trapaceando e não se importaria caso fosse desclassificado), mas o USA Today ainda assim, apresentou o personagem no concurso. Mais tarde, este design foi usado como inspiração para o Autobot Tomahawk, na linha de brinquedos Tranformers: Hunt For The Decepticons, em 2010.

Além dos filmes da franquia Transformers, Josh Nizzi participou de produções como: Captain America: The Winter Soldier, Thor: The Dark World, The Wolverine, Ion Man 3, Django Unchained, G.I. Joe: Rise of COBRA, G.I. Joe: Retaliation, The Amazing Spider-Man, Battleship, Robot Taekwon V, The Graveyard Book e atualmente faz parte da equipe de The Avengers: Age of Ultron.

 

MechRunner

Blog Image Gallery Teaser - MechRunner

Nizzi vem desenvolvendo o game MechRunner junto com a Spark Plug Games, trata-se de um game de ação onde Mechas travam batalhas cinematográficas contra um exército robótico implacável.

O game foi financiado pelo Kickstarter e produzido para PS4 e PS Vita o lançamento esta programado para este mês de Julho.

 

Transformers: Age of Extinction Concept Arts by Josh Nizzi

 

 

MechRunner by Josh Nizzi

Transformers 4: A Era da Extinção – A sensacional arte Josh Nizzi retorna ao universo Transformer Josh Nizzi é um artista freelancer especialista no desenvolvimento de “artes conceituais” (concept arts) com trabalhos produzidos para…

Blog Teaser - Futurama 3D

A série animada Futurama criada por Matt Groening (The Simpsons) e desenvolvida por ele e David X. Cohen para a Fox pode ter chegado ao fim, mas não foi esquecida. Basta conferir os sensacionais trabalhos em CGI criados pelo fã e artista Alexey Zakharov,a nave Planet Express e futurística cidade de Nova York,  ganham vida novamente de maneira impressionante. Zakharov, produziu um “test shot” animado em 3D  e postou em seu canal no Vimeo.

 

 

Além do projeto Futurama 3D, vocês podem conferir outros projetos desenvolvidos por em seu perfil no Behance. Mesmo após mais de uma década sem novos episódios, é muito bom saber que a obra de Matt Groeningé capaz de influenciar talentos como Alexey Zakharov. Agora é torcer para que seu projeto tenha uma conclusão e quem sabe chegar ao conhecimento de Groening.

 

O que aconteceu com Futurama?

Durante sua quarta temporada, Futurama continuou a ser transmitida de forma errática.Por deixar de ser exibida regularmente em razão de eventos esportivos, ficou difícil para os espectadores saberem quando um novo episódio da série iria ao ar. Esta grade instável fez com que a Fox deixasse de transmitir diversos episódios que foram produzidos para as temporadas três e quatro, e o excedente acabou sendo guardado para a utilização em uma quinta temporada.

Os executivos da emissora também não apoiavam a produção do programa.Embora Futurama não tenha sido cancelada oficialmente, na metade da transmissão da quarta temporada a Fox decidiu parar de comprar novos episódios da série, fazendo com que sua produção fosse interrompida antes do término da grade de programação de 2003. Isto acabou parodiado na sequência de abertura do último episódio daquela temporada, que mostrou uma fotografia de Fry, Leela e Bender com a legenda “Vejo Vocês em Algum Outro Canal”.

Fonte: Geek Tyrant, Wikipedia

Futurama 3D Image Gallery

Fã desenvolve animação 3D inspirada na série Futurama A série animada Futurama criada por Matt Groening (The Simpsons) e desenvolvida por ele e David X.

Blog Teaser - Big Heroe 6 02

O trailer japonês de Big Hero 6 (Operação Big Hero 6) mostra o primeiro encontro entre Hiro e Baymax, este vídeo é muito diferente do visto no primeiro trailer oficial do filme, ele tem uma atmosfera mais densa no início. Como você verá, Hiro terá que enfrentar alguns momentos muito difíceis antes do início da sua aventura.

 

Big Hero 6, o primeiro longa-animado da Disney que aproveita personagens da Marvel Comics, os “Big Heroes 6″ são uma equipe japonesa de super-heróis, nas HQ’s o grupo foi criado em 1998 e originalmente era formada por Silver Samurai (Samurai de Prata), Solaris, GoGo Tomago, Honey Lemon, Hiro Takachiho e BayMax. O filme todo produzido em computação gráfica e 3D, o prodígio Hiro Hamada e seu companheiro robótico BayMax se unem a Fred, Gogo Tomago, Wasabi e Honey Lemon para combater o terrível Yokai (significa “espírito” ou “fantasma” em japonês) e proteger a cidade de “Fransokyo”.

O elenco é formado por Jamie Chung (Go Go Tomago), T.J. Miller (Fred), Alan Tudyk (Alistair Krei), Genesis Rodriguez (Honey Lemon), Maya Rudolph (Aunt Cass), James Cromwell (Professor Robert Callaghan), Damon Wayans Jr. (Wasabi), Daniel Henney (Tadashi Hamada), Scott Adsit (Baymax) e Ryan Potter (Hiro Hamada)Chris Williams (Bolt – Supercão) e Don Hall (O Ursinho Pooh) são os diretores e Roy Conli, que trabalhou como produtor em “Enrolados”, supervisiona a adaptação.

Big Hero 6 chega aos cinemas em 7 de novembro de 2014

 

Fonte: Geek Tyrant

 

Big Hero 6 Image Gallery

Trailer japonês de BIG HERO 6 mostra início da amizade entre Hiro Hamada e Baymax. O trailer japonês de Big Hero 6 (Operação Big Hero 6) mostra o primeiro encontro entre…

Brasil ganha o primeiro museu exclusivamente dedicado ao Mangá e Anime, na América Latina.

Brasil ganha o primeiro museu exclusivamente dedicado ao Mangá e Anime, na América Latina.

A cidade de Garça, no interior do estado de São Paulo, será a primeira localidade na América do Sul a ter um museu do mangá. A decisão foi tomada pelo secretário de cultura de Garça, Ricardo Gimenes Peres, contando com o incentivo do secretário de turismo, Maurício Massao Ogawa, no início de 2014.
Museus dedicados ao mangá são comuns no Japão, que possui o total de 71 museusespecíficos sobre o…

View On WordPress

Por que dificilmente veremos Hellboy 3? Guillermo del Toro explica os motivos!

Por que dificilmente veremos Hellboy 3? Guillermo del Toro explica os motivos!

Blog Teaser - Guillermo del Toro - Hellboy 3

Esta é uma notícia desanimadora para todos os fãs de Hellboy. Mesmo que Ron Perlman esteja determinado a fazer Hellboy 3 se tornar realidade, o diretor Guillermo del Toro não tem tanta certeza que o projeto venha a ser produzido algum dia. Durante uma bate papo no site “Reddit AMA” ele foi perguntado sobre o projeto, e ele deu alguns detalhes acerca de qual poderia ser o enredo central,…

View On WordPress

Blog Teaser - Warren Manser 03

 

Se você acompanha os artigos do blog do Studio Made in PB, já deve ter visto os artigos especiais dedicados aos artistas conceituais envolvidos no filme Transformers 4: Age of Extinction (Transformers 4: A Era da Extinção). Já foram publicados artigos sobre os artistas  Wesley Burt e Vitaly Bulgarov, agora é a vez de vocês conhecerem Warren Manser.

 

Warren Manser é um artista conceitual freelance radicado em em Los Angeles, Califórnia, com vários trabalhos produzidos para indústria cinematográfica, foi professor da Art Center College of Design, desenvolveu projetos para games, animações e até parques temáticos. Nascido em Detroit, Michigan, estudou Desenho Industrial no College for Creative Studies.

Como estagiário da Ford Motor Company, junto com outros três estudantes, Warren projetou o Ford Splash Concept Car, que exposto na Detroit Auto Show de 1989. Depois de terminar a faculdade, mudou-se para Los Angeles e para iniciar sua carreira na indústria cinematográfica. Warren sabia que era importante desenvolver suas habilidades como desenhista e ilustrador, felizmente ele teve a oportunidade de trabalhar numa variedade de projetos que serviram como um desafio para seu aprimoramento ao longo dos anos.

Sua estreia na indústria cinematográfica foi em Evil Dead III: Army of Darkness, posteriormente participou de projetos para a DreamWorks, Universal, Paramount, Warner Bros, Sony Pictures, Disney e Twentieth Century Fox.

Blog Image Gallery Teaser - Warren Manser 01

Warren Manser tem trabalhos publicados nos livros“The Art of the Matrix” e “Pearl Harbor: The Movie and the Moment” , em seu currículo estão trabalhos para Sony na primeira trilogia do Homem-Aranha (Spider-Man), Jurassic Park 2: The Lost World (Jurassic Park 2: O Mundo Perdido), X-Men, Man of Steel (Spuerman: O Homem de Aço), Real Steel (Gigantes de Aço), The Hunger Games (Jogos Vorazes), Lara Croft: Tomb Rider, Men in Black (Homens de Preto), Thor, Minority Report, Pirates of the Caribbean: Dead Man’s Chest (Piratas do Caribe: O Baú da Morte), Crying Freeman, Alice in Wonderland (Alice no País das Maravilhas), The Patriot (O Patriota), Twelve Monkeys (12 Macacos), Oz The Great and Powerful (Oz: Mágico e Poderoso) entre outros.

Na franquia Transformers, Warren Manser trabalhou como artista conceitual em Transformers 3: Dark Side of the Moon, onde foi responsável pelo desenvolvimento de personagens como Optimus Prime, Dino, Bumblebee, Laserbeak, Sideswipe, Sentinel Prime, Skids e Mudflap (mesmo que estes dois personagens não tenham sido integrados na edição final do filme). Já em Transformers 4: Age of Extinction, Warren foi um dos principais responsáveis pelo novo visual de Bumblebee e produziu concept arts para Optimus Prime, Stinger, Crosshairse, Brains e parte dos laboratórios da KSI.

A seguir você poderão conferir o trabalho de Warren Manser em Transformers 4: Age of Extinction. Até a esteia do filme esperamos poder trazer para vocês mais informações sobre os artistas responsáveis pela produção do filme. Até breve!

 

Transformers 4: Age of Extinction Concept Arts by Warren Manser

 

Transformers 4: A Era da Extinção – Conheça Warren Manser o artista responsável pelo novo Bumblebee Se você acompanha os artigos do blog do Studio Made in PB, já deve ter visto os artigos especiais dedicados aos artistas conceituais envolvidos no filme…
To Tumblr, Love Pixel Union